Busca rápidaX


Projeto aprovado na Câmara colocará Brasil na vanguarda mundial em pesquisas científicas

30 de novembro de 2023

Depois de vários anos em discussão no Congresso Nacional, foi aprovado nesta quarta-feira (29), pela Câmara dos Deputados, o projeto de lei 7.082/2017, que regulamenta as pesquisas clínicas no Brasil. O texto foi relatado pelo deputado federal Pedro Westphalen (PP-RS), que avalia que a proposta colocará o país na vanguarda mundial em estudos científicos, abrindo caminho para novos investimentos e avanços na saúde.

“O Brasil entra agora em uma nova era. É um grande passo que nos coloca em patamares internacionais de pesquisa, destravando o processo hoje existente. Toda a população, principalmente os mais necessitados, vão ganhar com isso”, celebra o parlamentar.

De autoria da ex-senadora Ana Amélia Lemos, o projeto estava há bastante tempo em discussão na Câmara, tendo passado por diversas audiências públicas e por três comissões antes de ir a plenário nesta quarta. “Conversei com todos para escutar, modificar e aperfeiçoar o texto, até chegar a uma proposta que dê tranquilidade para avançarmos”, enfatiza Pedro.

A proposta, que ainda passará por nova votação no Senado Federal, estabelece regras para as pesquisas clínicas com seres humanos e o controle das boas práticas clínicas por meio de comitês de ética em pesquisa (CEPs). O texto estabelece direitos para os participantes voluntários das pesquisas e deveres para o pesquisador, o patrocinador e demais entidades envolvidas.

Hoje, estima-se que a aprovação da realização de uma pesquisa leve cerca de 215 dias, por passar por duas instâncias deliberatórias. Com a proposta, apenas um órgão fará essa avaliação, o que vai agilizar o processo – agora, os comitês terão prazo de 30 dias para analisar os protocolos submetidos.

Mercado de 200 bilhões

O mercado das pesquisas clínicas movimenta, mundialmente, mais de 200 bilhões de dólares. No entanto, hoje o Brasil é apenas o 20º país em número de estudos em andamento – apenas 2%, abaixo de nações como Taiwan e Hungria. As projeções são de que, se chegássemos ao 10º lugar, seriam mais de R$ 2 bilhões em investimentos diretos por ano por aqui.

“Temos universidades, hospitais e especialistas que estão entre os melhores do mundo. Precisamos aproveitar ao máximo esse potencial. Hoje, o que vemos é que muitos cérebros estão deixando o país para trabalhar no exterior, deixando de desenvolver nossa ciência por aqui”, lamenta o deputado federal Pedro Westphalen.

Além da geração de empregos e maiores investimentos em tecnologia, o parlamentar projeta benefícios para toda a população, com acesso mais rápido a novos tratamentos para diversas doenças.

“Estamos vendo várias enfermidades que, com novas e modernas medicações, agora têm perspectiva de cura ou melhor qualidade de vida. Agilizar o processo das pesquisas vai tornar mais rápida a incorporação desses medicamentos ao país, especialmente no Sistema Único de Saúde”, destaca Westphalen.

Fonte: Rádio Progresso de Ijuí e assessoria Pedro Westphalen