Busca rápidaX


MANCHETES

“É uma perseguição, querem calar a boca desse vereador”, afirma Busnello sobre denúncia apresentada contra ele

3 de junho de 2024

Na última semana foi instaurada, junto ao legislativo ijuiense, uma Comissão Parlamentar Processante (CPP) para investigar uma denúncia contra o vereador César Busnello (PDT). Proposta pelo Executivo de Ijuí, a denúncia aponta que o edil teria feito quebra do dever parlamentar com práticas incompatíveis com o exercício do mandato. A partir dai, foi aprovada, durante sessão na Câmara de Vereadores na semana passada, por 9 votos a 4, a abertura da referida comissão, composta pelos vereadores Rodrigo Noronha (PP), Beto Noronha (PT) e Matheus Pompeo de Mattos (PDT). 

O denunciante afirma que recebeu, por meio da ouvidoria do ente público, a informação de que o vereador Busnello, em suas atividades profissionais, estaria advogando contra a Fazenda Pública Municipal. Encaminhada à Procuradoria Geral do Município, o órgão informou a existência de quatro processos judiciais já arquivados, em que o vereador teria atuado como advogado em desfavor ao município, o que, de acordo com o estabelecido na Lei Orgânica do Município, representaria uma afronta aos deveres, vedações e comportamento compatível a vereança.

Em entrevista à Rádio Progresso nesta segunda-feira (03) o vereador disse estar tranquilo, já que entende que não se passa de uma perseguição. O edil entende que a principal motivação para a denúncia está relacionada à CPI da Expofest, a qual Busnello preside. “Essa CPI mexe com vários interesses. Eu sei que o denunciante é o rapaz que era responsável pelos shows. Depois de algumas provocações, entrei com processo judicial contra ele. E mais, após ameaças nas redes sociais, registrei um boletim de ocorrência contra esse rapaz, por dano moral e ofensas. Agora querem calar a boca deste vereador”, afirma Busnello.

César Busnello afirma que é conhecedor da incompatibilidade do exercício de vereança com essa situação, lembrou que por muitos anos atuou como professor no curso de Direito da Unijuí, mas disse que numa seara em que tramitam centenas de processos em seu escritório, pode ter acontecido algum equívoco, que segundo ele, durante a instrução será demonstrado. Porém, Busnello entende que não cometeu nenhum crime que possa ocasionar a perda de seu mandato. O vereador deve depor à comissão nos próximos dias.

Ouça abaixo a entrevista completa sobre o caso:

Fonte: RPI